Menu principal

Simule o seu seguro

Animais Domésticos

Menu principal
Home > Sobre MAPFRE Portugal > Fundação MAPFRE > Viajar em Segurança > O automóvel também é importante > Carros de dois lugares e descapotáveis: como levar a criança
carros de dois lugares e descapotáveis

Carros de dois lugares e descapotáveis: como levar a criança

A grande maioria dos veículos que circulam nas estradas têm mais de dois lugares e não são descapotáveis. E, por isso, existe pouca informação sobre carros de dois lugares e descapotáveis.

Os carros de dois lugares não são necessariamente carros desportivos, ainda que sejam os mais conhecidos. Utilitários como um Smart ForTwo, ou alguns veículos mistos utilizados para comércio, ou camiões pequenos, por exemplo, são de dois lugares.

Sabemos que as crianças menores de idade e com uma estatura menor que 135 cm devem viajar, obrigatoriamente, nos bancos traseiros do veículo no seu correspondente SRC. As exceções incluem o caso de um veículo dois lugares, isto é, no caso do veículo não dispor de bancos traseiros.

Precauções que deve ter ao colocar o SRC no banco do passageiro

  • A cadeirinha deve estar virada para trás sempre que seja possível. No mínimo até aos 15 meses, o recomendável é o maior tempo possível, inclusive até sos 4 anos.
  • Se for virado para trás, certifique-se de que o airbag do passageiro pode ser desativado. Se não for possível desativa-lo e a criança utiliza uma cadeirinha do grupo 0 não poderá fazer a viagem. Isto porque é obrigatório desativa-lo se levamos a criança virada para trás.

Além disso, devem evitar-se práticas perigosas como levar as crianças sem nenhum sistema de retenção no carro, mesmo que estejam seguras pelos braços do adulto, e muito menos partilhar o uso do cinto de segurança entre um adulto e uma criança sentada ao seu colo. Nesse caso, o cinto não protegerá o adulto e muito menos a criança, que poderá sofrer lesões bem mais graves ao comprimir o seu corpo entre o adulto e o cinto em caso de colisão.

No caso dos carros descapotáveis, não existindo outras referencias legais, deve imperar o bom senso na hora de proteger as crianças, evitando situações de risco.