Menu principal

Simule o seu seguro

Animais Domésticos

Menu principal
Home > Sobre MAPFRE Portugal > Fundação MAPFRE > Viajar em Segurança > Hábitos a corrigir > Se o seu filho não utiliza uma cadeira auto, saiba o que lhe pode acontecer
consequências de não usar cadeira auto

Se o seu filho não utiliza uma cadeira auto, saiba o que lhe pode acontecer

Pode variar um pouco dependendo do país em que se encontra, principalmente em termos de idade e altura da criança, mas, em geral, como quase certamente saberá, as crianças têm de utilizar um sistema de retenção para crianças (SRC) homologado para andar num automóvel. É obrigatório e, se levarmos os nossos filhos sem ele, podemos ser multados (e com razão, devido à irresponsabilidade e imprudência envolvidas).
Mas será que todos os condutores e pais compreendem porque é que as cadeiras auto foram tornadas obrigatórias? Embora alguns possam ficar surpreendidos, ainda hoje há pessoas que consideram as cadeiras auto como uma estratégia comercial e punitiva, para forçar as pessoas a gastar dinheiro e para aplicar multas na sua ausência. E ainda há crianças que andam no carro sem uma cadeira auto, ou sem serem presas a esta.
Também se baseiam frequentemente num cliché enganador: “quando éramos crianças, não havia cinto de segurança muito menos cadeiras auto, e aqui estamos nós”. Como se isso fosse um argumento suficiente para justificar que os sistemas de retenção para crianças não são necessários.
É muito fácil argumentar contra tal cliché: de facto, este era o caso quando éramos crianças, mas também era um facto que as estradas e os carros eram menos seguros do que são hoje, e há também o paradoxo de que, apesar de haver menos veículos nas estradas naquela época, o número de pessoas mortas em acidentes rodoviários era maior.
Sim, para aqueles que não se lembram: há anos atrás morriam muito mais pessoas em acidentes rodoviários do que hoje, e espera-se que cada vez menos pessoas continuem a perder as suas vidas na estrada.

Se as estradas e os carros progrediram, o mesmo aconteceu com a forma como as crianças são transportadas nos carros

A tecnologia e a segurança avançaram, e agora podemos viajar em carros com maior segurança do que há várias décadas atrás. Na segurança rodoviária, ativa e passiva, estão os sistemas de retenção para crianças.
Todos os ocupantes de um veículo têm de estar ‘presos’, uma vez que o veículo está em movimento e, quando a sua situação e velocidade mudam abruptamente, os ocupantes também se movem abruptamente dentro dele. É uma questão de física, que impõe sempre as suas leis.

Se o movimento for suave, os ocupantes mover-se-ão suavemente, mas se o movimento for abrupto e repentino, os ocupantes também se moverão da mesma forma, o que significa que podem colidir contra elementos no próprio habitáculo ou mesmo ser atirados para fora do veículo.
Isto não é um mito, nem uma lenda. Os inúmeros testes de colisão que foram realizados em automóveis para fazer com que os veículos sejam mais seguros e protejam melhor os seus ocupantes, demonstraram-no amplamente.
Em caso de travagem ou acidente, a desaceleração e, portanto, a força experimentada pelos ocupantes, é muito elevada. E se já põe em perigo a integridade e até mesmo a vida dos adultos, põe ainda mais em perigo a vida das crianças, cujos corpos, músculos e ossos não estão completamente desenvolvidos e são mais fracos e mais vulneráveis.
Se as crianças não forem retidas de forma alguma, o impacto pode e quase certamente será fatal. Se, pior ainda, a criança for atirada para fora do veículo, as consequências serão ainda mais graves.
A primeira finalidade, fundamental, dos sistemas de retenção para crianças, como o próprio nome sugere, é fixar a criança ao banco para evitar que a mesma seja atirada e atingida violentamente.  Sem isto, a criança irá bater com a cabeça violentamente e poderá sofrer danos cerebrais muito graves.
O segundo objetivo das cadeiras auto é proteger a criança, absorvendo a energia da desaceleração súbita. A pressão do cinto no peito da criança é melhor distribuída, por exemplo, pelos arneses multipontos, para evitar lesões nos órgãos internos e hemorragias. O movimento da cabeça é reduzido para evitar lesões graves nas vértebras do pescoço, que podem levar à paraplegia ou mesmo à morte.