Menu principal

Simule o seu seguro

371691~|mapfre~|HOGAR-32~|

Casa

Informações úteis

Menu principal

Simule o seu seguro

371691~|mapfre~|MASCOTAS-32~|

Animais Domésticos

Menu principal
Menu principal

Simule o seu seguro

371691~|mapfre~|VIDA-Y-DECESOS-32~|

Vida

Menu principal

Profissionais Liberais

Home > Sobre MAPFRE Portugal > Fundação MAPFRE > Viajar em Segurança > Hábitos a corrigir > A que acidentes estão expostas as crianças de acordo com as diferentes idades e como podem ser evitados?
A que acidentes estão expostas as crianças

A que acidentes estão expostas as crianças de acordo com as diferentes idades e como podem ser evitados?

Todos os dias, 2.300 crianças morrem de causas involuntárias em todo o mundo. De facto, os acidentes são a principal causa de morte em crianças entre os 5 e os 18 anos de idade na Europa. A Associação Espanhola de Pediatria e a Fundação MAPFRE elaboraram o “Guia para pais. Prevenção de lesões não-intencionais na infância“, com o objetivo de sensibilizar para os riscos mais frequentes aos quais as crianças estão expostas, e oferecer uma série de recomendações para os prevenir e evitar.

O TIPO DE ACIDENTE MAIS FREQUENTE VARIA DE ACORDO COM A IDADE

O guia mencionado analisa os acidentes mais frequentes por idade. As crianças com menos de 6 meses de idade sofrem principalmente quedas. A maior parte destas quedas ocorre desde a mesa muda-fraldas ou cama. Seguem-se os acidentes de trânsito, dos quais a maior parte são causados pela não utilização ou utilização incorreta dos sistemas de retenção para crianças.

Quedas, golpes, asfixia e queimaduras são particularmente comuns em crianças dos 6 meses aos 3 anos de idade. O motivo? A maior mobilidade que as crianças adquirem, o facto de porem tudo na boca, de começarem a usar um andarilho para bebés (totalmente desaconselhável), de brincarem com brinquedos não homologados…

As intoxicações são particularmente comuns em crianças entre os 12 meses e os 3 anos de idade. São especialmente causadas pela ingestão de medicamentos e produtos de limpeza, bem como por dormir ao lado de fogões e braseiros.

As crianças dos 3 aos 6 anos lesionam-se com mais facilidade como resultado do aumento da atividade física, subindo e descendo escadas, correndo livremente e atraindo a atenção dos adultos. As crianças dos 7 aos 12 anos, devem evitar certos comportamentos relacionados com o fogo, eletricidade e gás, jogos perigosos, não utilizar o elevador desacompanhado, praticar desporto com a proteção adequada, etc.

COMO EVITAR QUEDAS, QUEIMADURAS E AFOGAMENTOS?

Conscientização, vigilância, sensibilização das crianças para os perigos de certos comportamentos. A maior parte dos acidentes são evitáveis. Já falamos muitas vezes de como evitar lesões em crianças em acidentes de trânsito, utilizando um sistema de retenção para crianças e instalando-o corretamente. Dexamos algumas recomendações para 3 dos principais tipos de acidentes:

Quedas: estas são as lesões mais frequentes em crianças. Embora a maioria não tenha consequências físicas, devemos preveni-las. São a terceira principal causa de morte por lesões não intencionais na União Europeia em crianças com menos de 19 anos, e a principal causa de entrada em hospitais devido a lesões acidentais.

Conselhos: Recomenda-se a utilização correta de vedações de proteção em escadas, bem como a instalação de sistemas de segurança em janelas e varandas. Além disso, todos os móveis que podem ser escalados devem ser colocados longe das janelas e a criança nunca deve ser deixada sozinha num lugar alto, como uma cama, um sofá ou uma mesa muda-fraldas.

O uso de andarilhos também não é recomendado e a criança deve ser sempre retida com cintas de segurança em cadeiras altas, cadeiras de baloiço, redes, etc. Ao usar arneses, deve escolher arneses de cinco pontos e remover todos os objetos que possam causar quedas, tais como tapetes.

A criança deve também ser impedida de andar em pisos molhados, devem utilizar-se protetores para móveis com cantos e bordas afiadas, e colocar um elemento de absorção de queda junto à cama ou berço.

Queimaduras: Os acidentes que causam queimaduras são a quarta causa principal de morte violenta na infância, e são especialmente frequentes em crianças entre os 12 e os 24 meses de idade.

Conselhos: para evitar queimaduras elétricas, é aconselhável instalar dispositivos de segurança específicos em todas as tomadas da casa. Não manuseie tomadas ou fios quando as crianças estão a ver.

Além disso, os aparelhos elétricos devem ser desligados quando não estão a ser utilizados e deve ser evitada a utilização de cabos de extensão e ligações de tomadas múltiplas.

Para evitar queimaduras solares, não é aconselhável ficar ao sol durante as horas mais de maior calor (das 11 às 17h). Utilize sempre protetor solar e as crianças mais novas devem usar uma t-shirt e chapéu. As crianças devem manter-se à sombra e os bebés com menos de 6 meses nunca devem ficar sob a luz solar direta.

Para queimaduras térmicas, recomenda-se a utilização de detetores de fumo. As crianças devem ficar longe de fósforos, isqueiros, líquidos inflamáveis…

Para evitar queimaduras por líquidos quentes, é aconselhável não deixar entrar as crianças na cozinha para evitar que possam apanhar utensílios, tais como as pegas de frigideiras e panelas. Na casa de banho, meça a temperatura da água. Lembre-se que o que pode ser água morna para nós pode causar queimaduras a uma criança. Nunca deixe uma criança sozinha no banho. Os objetos elétricos também devem estar afastados da banheira e devem ser colocados autocolantes antiderrapantes na base desta.

Afogamentos: A cada hora, 40 pessoas perdem a vida por afogamento. O afogamento é uma das 10 principais causas de morte em pessoas dos 1 aos 24 anos de idade, em todo o mundo.

Conselhos: Esteja sempre atento às crianças enquanto elas estão dentro de água ou a brincar à beira mar, escolha sempre locais seguros para tomar banho. Informe-se e respeite as regras de segurança, aprenda a realizar primeiros socorros e reanimação cardiopulmonar, eduque e ensine as crianças a não tomarem banho sozinhas e a utilizar as piscinas e praias de forma responsável.