Menu principal

Simule o seu seguro

Animais Domésticos

Menu principal
Home > Sobre MAPFRE Portugal > Fundação MAPFRE > A Cadeira Mais Segura > Conselhos práticos > Um sistema de retenção para crianças pode ser reparado?

Um sistema de retenção para crianças pode ser reparado?

Saber se uma cadeira auto pode ser reparada é uma daquelas questões que surgem depois de um acidente. É possível que, na maioria dos casos, não se trate de uma grande colisão, mas sim de algo menor, que não deixa quaisquer ferimentos ou sequelas nos passageiros, não passando de um susto. Esta dúvida pode também surgir se a nossa cadeira auto tiver sido danificada numa queda inesperada ou na utilização diária.
Por outro lado, é também muito comum que esta seja pergunta nunca seja feita, por desconhecimento. Mas, tal como um capacete de motocicleta ou um cinto de segurança de adulto, quando sofremos uma colisão devemos ser muito cuidadosos e pensar que qualquer sistema de retenção ou proteção deve ser minuciosamente verificado após um impacto. O problema está em determinar quem o irá verificar.

Uma colisão pode causar danos imperceptíveis nos arneses, nos fechos ou na estrutura do SRC.
Por regra, os sistemas de retenção para crianças devidamente certificados são testados para um único evento de colisão. Ou seja, é garantido que, quando devidamente fixado e colocado no banco do automóvel, o SRC protegerá os seus ocupantes num acidente. A proteção para além desse acontecimento não é garantida, e isto deve-se às forças e tensões que os arneses, fechos ou sistema de ancoragem têm de suportar.
Durante uma colisão, as forças que o SRC suporta são enormes e podem danificar a estrutura, deformar o aço ou gerar fissuras invisíveis que podem não ser detetadas com uma simples inspeção. Estas são, aliás, as principais razões para recomendar que um SRC não seja reparado, a menos que pelo próprio fabricante, que pode determinar melhor do que ninguém a extensão e importância dos danos.
Caso não se utilize o sistema  ISOFIX e se instale o SRC com os cintos de segurança traseiros, estes também podem ter sofrido danos e, por isso, também devem ser avaliados. Em caso de colisão, deve considerar a substituição do sistema de retenção para crianças como precaução.
Um caso diferente seria, por exemplo, a deterioração dos materiais de enchimento ou de outros elementos do SRC, que nada têm a ver com os arneses, fechos ou âncoras. Nesses casos, é possível reparar essas peças em lojas especializadas. Mas, no caso de qualquer parte sensível do SRC ser danificada, o dispositivo deve ser substituído.
Ao verificar políticas de segurança noutros países, por exemplo, nos EUA, vemos que a substituição do SRC é sempre recomendada para colisões moderadas e graves, mas não obrigatória para colisões leves.

Como determinar se a colisão é leve?

Tenha em conta todas estas condições:
1.    O veículo pode seguir seu caminho sem problemas;
2.   A porta mais próxima do SRC está completamente intacta;
3.    Nenhum dos ocupantes apresenta lesões;
4.    Os airbags não foram acionados; e
5.    Não há danos visíveis no SRC.

Nestes casos, não é necessário trocar de SRC. Mas recomendamos que o sistema de retenção para crianças seja minuciosamente verificado e, em caso de dúvida, é aconselhável que o mesmo seja verificado por um especialista.

E os SRC em segunda mão?
As razões apresentadas nos pontos anteriores quanto à conveniência ou não da utilização de um SRC após uma colisão, são mais do que suficientes para compreender que um dispositivo em segunda mão não é algo em que possamos facilmente confiar. Não só devido à possibilidade de ter estado envolvido numa colisão, mas também porque não conhecemos o histórico do dispositivo.
O historial de um sistema de retenção para crianças pode ser muito diversificado, e quando uma pessoa coloca o seu sistema de retenção para crianças à venda, normalmente não tem qualquer certificado que atesta a segurança do dispositivo, nem conta com qualquer registo de acidente (pode até nem ter passado por uma possível chamada de revisão do SRC).
Tal como no caso dos automóveis, uma chamada de revisão, ou recolha, pode ser desencadeada pela deteção de uma falha de produção pelo fabricante, que recolhe o produto das lojas e faz a reparação ou substituição, sem afetar a garantia ou segurança do dispositivo.