Menu principal

Simule o seu seguro

Animais Domésticos

Menu principal
Home > Sobre MAPFRE Portugal > Fundação MAPFRE > A Cadeira Mais Segura > Conselhos práticos > Está consciente de como pode ser perigoso para as crianças transportarem tablets, ecrãs ou telemóveis, mesmo que estejam na cadeira auto?
PERIGO DE OBJETOS SOLTOS cadeira auto|principais erros cometidos na hora de transportar crianças

Está consciente de como pode ser perigoso para as crianças transportarem tablets, ecrãs ou telemóveis, mesmo que estejam na cadeira auto?

Colocamos a criança corretamente no banco de trás, com um sistema de retenção homologado e adaptado ao tamanho e peso da criança. A cadeira auto está corretamente instalada e a criança está presa com segurança. A cadeira está virada para trás. No entanto, deixamos objetos soltos dentro do veículo ou colocamos alguns deles de forma inadequada. A criança está a utilizar um tablet para se entreter durante a viagem. Estamos conscientes de como isto pode ser perigoso?

O PERIGO DE OBJETOS SOLTOS

Sabia que qualquer objeto solto dentro do veículo pode ser atirado contra qualquer um dos ocupantes, aumentando o seu peso em até quarenta vezes a apenas 50 km/h? Uma consola com apenas 218 gramas pesaria 7,8 kg numa travagem ou colisão a 50 km/h. Em caso de travagem a 90 km/h, o peso desta consola seria de 25 kg. Se estivermos a falar de um tablet de 560 g, o seu peso pode chegar a 23 kg numa travagem a 50 km/h e a 75 kg numa travagem a 90 km/h, o que seria o equivalente a um cão de raça São Bernardo colidindo diretamente contra um dos ocupantes.

O mesmo ocorre com brinquedos, por mais leves que sejam. De facto, a própria cadeira auto deve ser instalada e fixa com segurança mesmo que a criança não esteja a viajar, uma vez que também pode sair projetada.

OBJETOS FIXOS COM SEGURANÇA, MAS EM LOCAIS INAPROPRIADOS

Não basta fixar bem os objetos, devemos também ter muito cuidado com o local onde os colocamos. A parte de trás do encosto da cabeça ou a frente do mesmo (no caso de crianças viradas para trás) não são os locais mais apropriados. É importante ter em conta que a cabeça da criança pode bater diretamente contra eles se, por qualquer razão, a cadeira auto não estiver devidamente fixa ou não reagir como deveria.

Uma das principais preocupações é evitar que as crianças sejam atiradas para fora do carro e que batam diretamente contra os vidros do veículo. Esta é uma das razões pelas quais é obrigatório que as crianças viajem nos bancos traseiros. No entanto, todas as medidas de segurança serão em vão se colocarmos objetos que podem comprometer a sua segurança, tais como tablets no encosto de cabeça, ecrãs de DVD ou bandejas que se dobram para fora dos bancos. Em princípio, uma criança numa cadeira auto não deve bater no encosto, mas, se bater, é preferível que o faça contra algo acolchoado do que contra um ecrã.

COMO UMA CRIANÇA DEVE VIAJAR

Lembramos que para o transporte de crianças com menos de 12 anos e menos de 135 cm de altura, em automóveis equipados com cintos de segurança, é obrigatório o uso de um sistema de retenção homologado e adaptado ao seu tamanho e peso.

A criança deve sempre sentar-se no banco de trás, salvo se:

  • Tiver menos de três anos e o transporte se fizer utilizando sistema de retenção virado para a retaguarda, não podendo neste caso estar ativado o airbag no lugar do passageiro.
  • A idade for superior ou igual a três anos e o automóvel não dispuser de cintos de segurança no banco da retaguarda ou não dispuser deste banco.

Além disso, a cadeira auto deve ser instalada e a criança deve ser colocada de acordo com as especificações do fabricante indicadas no manual ou folheto. Se ocupar o banco da frente e o veículo dispor de airbag frontal, os sistemas de retenção virados para trás só podem ser utilizados se o airbag tiver sido desativado. O mais recomendável é que as crianças viajem viradas para trás o máximo de tempo possível, e pelo menos até aos 4 anos.

Neste infográfico abordamos alguns dos principais erros cometidos na hora de transportar crianças em segurança:

principais erros cometidos na hora de transportar crianças