Pular para o conteúdo

Saber dizer não... online (parte II)

Saber dizer não... on-line (parte II)

Se saber dizer “não” é o primeiro passo para combater a fraude online, saber reconhecer as fraudes é o segundo.

Apresentamos-lhe, por isso, as 6 principais fraudes.

Spam

O spam são mensagens de email não solicitadas que podem promover fraudes, nomeadamente os esquemas em pirâmide, as ofertas não solicitadas, a falsa faturação, a fraude nigeriana, a promoção enganosa de títulos financeiros, entre outras.

Existe ainda um tipo de spam que pode promover fraudes que sejam específicas para utilizadores da internet, tais como leilões online e assédio a modems. O spam é igualmente utilizado para propagar vírus, o que representa um ameaça acrescida e, como tal, exige uma maior vigilância.

Esquemas em pirâmide

Também conhecidos por vendas “em cadeia” ou “bola de neve” têm como objetivo recrutar pessoas, em lugar de vender um produto legítimo ou fornecer um serviço. O consumidor dá a sua própria contribuição em troca da possibilidade de receber uma contrapartida, que decorra essencialmente do recrutamente de outros consumidores.

Em Portugal este tipo de esquemas é ilegal, sendo punido por lei.

Ofertas não solicitadas, prémios, lotarias, serviços milagrosos e sistemas de apostas

São enviadas propostas maravilhosas ou ofertas de brindes, bilhetes premiados, em troca de um valor inicial reduzido, atraindo o consumidor a adquirir. O defraudador recebe o dinheiro, mas não envia a oferta publicitada. Casos há em que são facultados números de telefone para os quais os vencedores deverão ligar para obter mais informações, mas o valor das chamadas é muito superior ao do custo de uma chamada local.

Falsa faturação e operações bancárias fraudulentas por e-mail

O defraudador, via e-mail, faz-se passar por uma instituição legítima (banco, empresa de cartões de crédito) e emite documentos de despesas de bens que o consumidor habitualmente adquire. O consumidor ao responder a estas solicitações com os seus dados pessoais fornece acesso direto à sua conta bancária ou cartão de crédito.

Fraude nigeriana (fraude de pagamento adiantado)

O consumidor recebe um email no qual o defraudador identifica-se como vítima de um infortúnio no seu país de origem e, como tal, tem uma necessidade legítima de transferir discretamente grandes quantidades de fundos para o estrangeiro. Para o fazer precisa de ter acesso à conta bancária de alguém que os ajudará e a quem oferecerão uma volumosa percentagem do seu dinheiro. Regra geral, é enfatizada a necessidade de sigilo e urgência, de forma a dissuadir o consumidor de se aconselhar. Por vezes, todo o esquema é disfarçado sob a capa de trabalho caritativo ou missionário.

Promoções enganosas de títulos financeiros

O consumidor é contactado sobre uma dica de bolsa, informando que determinado título bolsista vai aumentar o seu valor. A aquisição pelos consumidores ludibriados gera uma falsa euforia, que por sua vez faz com que os promotores vendam as ações que tinham anteriormente, realizando um lucro considerável. Os novos donos dos títulos, no entanto, acabam por ficar em situação de perda, uma vez que pagaram mais pelas ações do que o seu valor real. 

Artigo inserido no âmbito da Newsletter 20 (abril 2011) e redigido segundo o Acordo Ortográfico de 1990.

 

Fonte: "Portal do Consumidor", in Publicações [em linha], 2011, http://www.consumidor.pt/ [consultado em 27.03.2011]

Volta ao Topo