Pular para o conteúdo

5 Recomendações de verão para caudas felizes

Alt padrão

Qualquer pretexto serve para falar de férias e, por isso, talvez estas 5 recomendações de verão para caudas felizes venham mesmo a calhar!

É certo que cada vez mais donos viajam com os seus animais, seja em férias mais prolongadas, fins de semana ou passeios curtos por isso apresentamos algumas dicas para o descanso do seu turista de 4 patas! É só ler até ao fim! O que importa é ver patudos felizes!


1. Hit the road!

Se o seu destino de férias implica uma viagem de carro, lembre-se que os animais também enjoam. Fale com o veterinário antes de partir e verifique se na rede de prestadores do seu seguro existe algum veterinário perto do destino escolhido. Outra dica, mais óbvia, é levar água suficiente para evitar a desidratação durante a viagem, principalmente nos dias mais quentes.

Esticar as patas! As paragens, com intervalos de 2 horas, para que o animal possa fazer as suas necessidades e descansar são obrigatórias.

Cinto de segurança, pois claro! Tal como para as pessoas, é preciso garantir a segurança do animal no carro. Não o deixe solto, além dos solavancos, viajar à solta pode colocar em risco a sua segurança e de outros ocupantes. Os animais de pequeno porte devem viajar em caixas transportadoras. Existem também cintos ajustáveis próprios para cães ou, se o seu animal for mesmo grande, a alternativa poderá ser um atrelado para o seu carro. 

E atenção, cabeças de fora da janela é que não!


2. Fazer as malas

Prepare um kit para o seu amigo de quatro patas. Esta é uma lista do que é o mais necessário:

  • Champô, antipulgas e escova para o pelo
  • Trela (no caso dos cães), cama e brinquedos favoritos
  • Recipiente para água
  • Comida. Ainda que seja melhor que a viagem seja feita em jejum, se for muito longa, é melhor ter por perto a ração habitual que aliás deve levar em quantidade suficiente para a duração da viagem
  • Verifique a documentação de vacinação e passaporte do seu animal, caso seja necessário
  • Não esquecer, os sacos para recolher os dejetos


3. Papelada em ordem!

Antes de embarcar em viagens nacionais ou internacionais, de carro, comboio ou avião é preciso reunir os comprovativos de vacinação e atestados de saúde fornecidos pelo veterinário.

Saber é poder! Para as viagens ao estrangeiro, o melhor é informar-se no consulado do país de destino sobre quais as exigências para a entrada do animal. Alguns países exigem vistos, outros períodos de quarentena no aeroporto.

Os seus documentos, por favor! Identifique o seu animal. Se ainda não o fez garanta que não parte de férias sem o microchip (obrigatório para cães).


4. À chegada…

Quer o alojamento seja num parque de campismo, num hotel ou numa casa alugada ou de familiares, não se esqueça de avisar da presença do seu amigo de 4 patas antes da viagem.

Na nova morada. Coloque na coleira uma placa com os seus contactos.

A ementa, por favor! À chegada, e num local tranquilo, alimente e dê de beber ao animal. 

Seja qual for a sua opção de férias leve a ração habitual em quantidade suficiente para a duração da estadia. Este passo pode evitar surpresas desagradáveis especialmente para os estômagos mais fracos!


5. Voar com um pet

Neste caso, e antes de decidir levá-lo na viagem, é importante avaliar as condições do animal e consultar um veterinário.

Uma sugestão inicial é escolher destinos com voos diretos e trajetos curtos. Isso diminui a ansiedade dos animais e dos seus donos, bem como a hipótese de desidratação, um dos riscos de saúde mais frequentes durante uma viagem de avião.

Se já está decidido e esta é a sua opção de férias resumimos aqui tudo (ou quase tudo!) o que deve acautelar ainda antes de levantar voo: 

  1. A primeira recomendação é verificar os condicionalismos no país de destino. A legislação diverge muito de país para país e alguns não permitem a entrada de animais.
  2. Completado o passo anterior, e ainda antes de comprar os bilhetes, informe-se sobre as regras de transporte de animais da companhia aérea em que pretende voar para saber se aceitam transporte de animais na cabine ou se tem restrições para o transporte no porão.
  3. Verifique a documentação de vacinação e o passaporte de animal de companhia para garantir que tudo está em ordem.
  4. A caixa de transporte é muito importante e deve ser, acima de tudo, adequada ao tamanho do animal, resistente e bem ventilada. Confirme quais as especificações da companhia aérea. E, muito importante, caso o animal não esteja habituado à caixa de transporte não se esqueça de fazer a adaptação pelo menos duas semanas antes da viagem. 
  5. Calmantes ou tranquilizantes não são recomendados em viagens de avião, pois podem provocar efeitos colaterais. A única exceção é em caso de recomendação expressa do veterinário.
  6. No dia da viagem ofereça alimentos leves e, para evitar enjoos, a última refeição deve ocorrer 2 a 3 horas antes do embarque. Água pode e deve ser oferecida à vontade, inclusive no aeroporto, antes do embarque. Um passeio antes do voo para as últimas necessidades e estão prontos para partir!
  7. Evite embarcar com muita antecipação e brinque com o seu animal, vai ajudá-lo a estar entretido e a descontrair.
  8. Caso o animal viaje no porão, identifique-o e identifique também a caixa de transporte que deve ser forrada com um tapete absorvente. Uma taça com água vai entornar-se rapidamente, prefira deixar algumas pedras de gelo no reservatório destinado à água. Ah, e não se esqueça de deixar à mão, que é como quem diz, “à pata”, um brinquedo ou a sua manta favorita! 


Seja qual for a opção, um verão feliz para si e para o seu companheiro!

Volta ao Topo