Menu principal

Simule o seu seguro

371691~|mapfre~|HOGAR-32~|

Casa

Informações úteis

Menu principal

Simule o seu seguro

371691~|mapfre~|MASCOTAS-32~|

Animais Domésticos

Menu principal
Menu principal

Simule o seu seguro

371691~|mapfre~|VIDA-Y-DECESOS-32~|

Vida

Menu principal

Profissionais Liberais

Home > Particulares > Poupança e Investimento > Dicas de poupança > Fatores que apontam para uma recuperação moderada e frágil da economia de 2022

economia 2022

Fatores que apontam para uma recuperação moderada e frágil da economia de 2022

A recuperação continuará a ser impulsionada pela contribuição da procura interna, em particular do consumo, seguido do investimento privado e da despesa pública.

(Análise de Gonzalo de Cadenas-Santiago, diretor de análise macroeconómica e financeira da MAPFRE Economics)

A recuperação económica iniciada o ano passado irá continuar em 2022 – ainda que mais moderadaassimétrica e frágil – e o PIB global regressará aos níveis pré-pandémicos.

A recuperação continuará a ser impulsionada pela contribuição da procura interna, especialmente do consumo seguido do investimento privado e da despesa pública, graças à procura não satisfeita; stock-outs industrais que precisam de ser repostos; condições financeiras ainda fracas na maioria dos mercados desenvolvidos; e remanescentes de impulsos fiscais de vários tipos (na Europa/Espanha, o canal NextGenEU, por exemplo). Por outro lado, o comércio externo ainda enfrentará desafios decorrentes de estrangulamentos e da escassez de ofertas nas cadeias de valor globais, e contribuirá pouco para o crescimento.

No entanto, a recuperação não será a que esperávamos há alguns meses, mas significativamente mais moderada. As poupanças a serem libertadas são consideravelmente inferiores ao que foram na transição de 2020 para 2021. Ao mesmo tempo, a inflação continuará a ser significativamente mais elevada do que aquilo a que estivemos habituados durante a última década, o que irá prejudicar o poder de compra das famílias com rendimentos mais baixos. Além disso, o apoio fiscal às empresas e famílias será significativamente menor porque está já esgotado e não tem a mesma margem que tinha antes da pandemia. Por último, e mais importante, iremos provavelmente enfrentar novas restrições à mobilidade que, embora menores, terão também um impacto no emprego e no consumo a nível global. Em suma, é esperado que o mundo cresça apenas cerca de 5% em 2022.

Por outro lado, esta recuperação será assimétrica a nível global porque, embora os mercados desenvolvidos mantenham um crescimento sólido em 2022 (com os EUA a liderar o emprego e a UE ainda com o dobro do crescimento médio dos últimos 10 anos), os mercados emergentes, e especialmente a América Latina, enfrentarão muitos desafios que diminuirão o dinamismo da sua recuperação. Por exemplo, as moedas locais cada vez mais fracas (apesar de terem limpo a sua balança de pagamentos) irão amplificar o efeito da inflação. Isto irá provocar uma grande erosão dos rendimentos nas economias onde, além disso, o emprego não recuperou da crise e onde as limitações das variantes da COVID-19 serão mais severas na ausência de sistemas sólidos de proteção social. Tudo isto, num contexto de apoio fiscal reduzido e de condições financeiras mais restritivas, dado o aperto da politica monetária, o aumento dos custos de crédito e a depreciação da moeda.

Esperamos que os países desenvolvidos cresçam cerca de 4% em 2022 e contribuam com mais de metade do crescimento global, enquanto os países emergentes crescerão cerca de 5% e contribuirão com pouco mais de um terço do PIB global. O dinamismo deste último variará claramente por região. A região da América Latina será a que menos crescerá em 2022 porque é o catalisador de todos os desafios que mencionei acima.

Esta perspetiva de recuperação é também frágil, uma vez que o equilíbrio dos riscos está em desvantagem para a atividade. As variantes da COVID-19 estão a forçar a atividade a ser novamente reduzida, os problemas de abastecimento dos fabricantes ainda se mantêm, as tensões geopolíticas e de governação global estão a aumentar, e a inflação parece estar a passar de transitória para persistente, com receios de se poder tornar permanente.

Não obstante, há também pontos de otimismo: há melhorias substanciais na governação global (pelo menos nos países desenvolvidos) e a política económica, embora não seja totalmente coordenada, está a apoiar a recuperação global em todos os domínios. Ao mesmo tempo, as condições financeiras e fiscais permanecem benignas e com o objetivo de apoio incondicional contra o COVID-19 e, finalmente, temos muito mais informação sobre os seus efeitos e consequências do que no início da pandemia e “a incerteza com a informação é risco”, algo com que sabemos como lidar e assumir (especialmente grupos de seguros).


Fonte: traduzido e adaptado, a partir de: “Los factores que apuntan a una recuperación moderada y frágil para 2022”, in Cotizalia [em linha], 18.01.2022, https://blogs.elconfidencial.com/mercados/tribuna-mercados/2022-01-18/los-factores-que-apuntan-a-una-recuperacion-moderada-y-fragil-para-2022_3359663/ [consultado em 26.01.2022]

Calcule o seu seguro agora

Auto
Habitação
Vida

Cotação de Fundos

Resgates e Reembolsos (Genérico)

Resgates e Reembolsos (PPR)

Participação de Sinistro
PDF (92.7 KB)
Informação Taxas Variáveis
PDF (56 KB)
Garantia e Solvência MAPFRE
PDF (88 KB)
A informação constante desta página não dispensa a consulta da informação pré-contratual e contratual legalmente exigida. Produto comercializado pela: MAPFRE - Seguros Gerais, S.A.
“Portugal está a ter um desempenho espetacular”

“Portugal está a ter um desempenho espetacular”

Reconhecimento de Álvaro Anguita em entrevista “MAPFRE AM Interview of the Month” "Já fechámos a primeira transação na América Latina, em Porto Rico, e já estamos em negociações para entrar noutros países da região, onde a MAPFRE é muito forte com o seu negócio...

Saber mais
Os europeus vão ter um novo produto de poupança

Os europeus vão ter um novo produto de poupança

Nos últimos anos assistimos a um aumenta na pressão dos Sistemas Público de Previdência Social, nomeadamente Segurança Social e Caixa Geral de Aposentações. Estamos a falar sobretudo do envelhecimento da população, resultado do aumento da longevidade e do descréscimo...

Saber mais